Saiba o que são Práticas Integrativas de Saúde e de Educação

O Ministério da Saúde vem adotando práticas diferenciadas para prevenir e combater doenças. Um movimento que está resgatando a qualidade de vida e bem estar das pessoas através de ações simples que agregam valor e significado ao cotidiano.

A publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), reconhece o potencial curativo de ações culturalmente estabelecidas como homeopatia, a medicina tradicional chinesa, a meditação, a yoga, o Taichi, entre outras…

Estamos começando a sair de uma cultura da doença (onde olhamos apenas para o os problemas,  aumentando cada vez mais o uso de medicamentos) e direcionando o nosso olhar para o potencial infinito do ser humano, a cultura de saúde (onde são acionadas estratégias de saúde integral e preventiva usando nossos recursos internos para superar os obstáculos que nos adoecem).

Desenvolver o hábito do autocuidado, o olhar interno para as potencialidades que temos, faz com que o nosso sistema imunológico se fortaleça, que os nossos sistemas cardiovascular, endócrino, respiratório, nervoso, digestivo, etc trabalhem em harmonia gerando um estado denominado Homeostase, que é o estado mais adequado de funcionamento do organismo para se ajustar ao meio.

Se tais práticas são comprovadamente efetivas e reconhecidas na saúde por que não inserí-las na escola? A escola é onde tudo começa, um espaço de formação de memórias saudáveis para a constituição de um adulto mais equilibrado, consciente e responsável por suas atitudes.

A escola tem seguido o mesmo padrão do antigo modelo de médico. Se o aluno não aprende, vamos medicalizá-lo. Qual tem sido o reflexo disto? Crianças cada vez mais desacreditadas da sua potencialidade, cada vez mais dependentes de que alguém lhes aponte o dedo e lhes digam o que deve ser feito, sem autonomia, sem desejo, com pouca capacidade de controlar seus impulsos e emoções, já que muitas vezes o medicamento faz isso por eles…

Estamos colocando o nome de  transtorno, para as dificuldades humanas, e isto está se tornando uma prática comum. A criança chega ao consultório médico, a família relata alguns comportamentos inadequados para o atual padrão social e o médico prescreve um remedinho para resolver tudo!

Estamos ensinando estas crianças a lidarem com sentimentos como raiva, vergonha, medo? Estamos criando espaços para que estes alunos acessem um estado de tranquilidade e bem estar? Estamos mostrando a elas que podemos gerenciar nosso corpo, pensamento e sentimentos sem agir impulsivamente? Infelizmente não… Nós também estamos mergulhados e absorvidos por essa cultura e reproduzimos comportamentos já automatizados no nosso inconsciente coletivo.

Mas podemos gradualmente mudar essa realidade com atitudes simples na escola. Inserir práticas Integrativas no cotidiano da sala de aula, reservar alguns minutos para respirar adequadamente, silenciar, olhar para si e para o outro de maneira amorosa, respeitosa, atividades de autoconhecimento, autocuidado e positividade podem e devem ser usadas na escola.

A Pedagogia Quântica é uma nova ferramenta para estas reflexões. Agrega conhecimentos culturais milenares ao conhecimento científico atual e traz para ação do professor! Vamos olhar para o campo de infinitas possibilidade e dar um passo adiante como a saúde já vem fazendo, vamos nos unir e fortalecer estas ações no espaço escolar. Avante!

Segue o vídeo de relatos de experiência com a Práticas Integrativas de Saúde no : Sistema único de SaúdePrática Integrativas no SUS, uma experiência de sucesso

Andréa Wolney

 

 

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

©2018 Todos os direitos reservados para Pedagogia Quântica.

Desenvolvido por BSB Connect.

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?